segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Baba de Moça







Com origem na doçaria portuguesa, a Baba de Moça é um das mais tradicionais sobremesas. Presente nas mesas desde o Brasil Império presta-se tanto para acompanhar sorvetes como para rechear bolos e tortas. Mas há quem prefira saborear essa delícia apenas com uma nuvem de canela em cima.
Para o almoço do dia dos pais, preparei a receita tradicional que está na família desde o caderninho da minha avó.

Ingredientes

1 xícara de leite de coco
1 1/2 xícara de açúcar
2 xícaras de água
1 colher de sopa de manteiga
6 gemas peneiradas
4 cravos-da-índia.

Como preparar

1 - Junte a água, o açúcar e os cravos e ferva até atingir o ponto de fio.
2- Tire do fogo e adicione a manteiga e deixe esfriando.
3 - Misture as gemas peneiradas com o leite de coco. 
4 - Quando a calda estiver morna, junte as duas (calda + creme de gemas)
5 - Volte ao fogo médio, mexendo sem parar até engrossar levemente.
6 - Leve à geladeira.

Eu servi sobre sorvete de coco e uma fatia de bolo de chocolate (que você poderá substituir por um biscoito champanhe, uma fatia de pão-de-ló).



Versão para imprimir (clique na imagem para ampliar)


Baba de Moça

Escolher, no galinheiro, dez ovos grandes e do dia.
Romper, separando as gemas com cuidado.
Colocá-las, dez pingos de sol, no alguidar de barro.
Numa panela, que terá neste doce seu único destino,
dez colheres de açúcar, altas como os Andes .
Uma de inhapa.
Água o suficiente, fogo moderado.
O  ponto? Leve, de doçura transparente.
Nas gemas, a calda, em gotas cuidadosas.
Colher de pau, que, para isso, não há outra .
Voltar ao fogo como se volta à casa.
Mexer com paciência de pássaro fazendo ninho.
Quando raios de prata surgirem no amarelo,
descansar a mão e o doce.
Então, quietude.
É fundamental como beleza no verso do poeta.
Depois de frio, verter em taças delicadas.


Ana Mariano
Olhos de Cadela

L&PM 2006



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vou adorar ler seu comentário, além é claro, do prazer enorme de saber que passou por aqui.