domingo, 9 de fevereiro de 2014

Segredos para uma pizza Marguerita perfeita


A escolha por ingredientes de primeira é fundamental para o sucesso da massa.
O queijo ideal é a mussarela de búfala – única que recebe, na Itália, a denominação “mozzarella”. Ela tem menos gordura e não possui conservantes. Por isso, o sabor não compete com o do tomate.
Use tomates do tipo italiano, bem maduros
Pique o tomate em cubinhos e coloque numa peneira fina, se possível de aço, e deixe escorrendo pelo maior tempo possível. Livre-se de todo o liquido “claro” que o tomate irá verter porque nessa água está a acidez e ela é a maior responsável por aquela sensação de peso no estômago depois da pizza. Esse processo também evitará que o tomate umedeça a massa fazendo com ela fique molenga e borrachuda.
Ao esticar a massa, sempre deixe uma borda (fina ou grossa - depende de sua preferência). O importante é que tenha uma borda para conter o queijo para que ao derreter, ele  não escorra para a assadeira - a  massa ela deve ser um pouco mais fina no centro e ter de 1,5 cm a 2,0 cm de borda.
Pré asse a massa. Retire do forno e só então cubra o disco de pizza com esse molho cru. Aí está outro truque - na pizza o molho deve ser empregado cru para evitar que fique parecendo molho de macarronada.
Asse a massa em forno pré-aquecido 180° até que ela adquiria consistência. Retire e coloque os tomates e o queijo.  Volte ao forno até dourar e assar completamente. Se desejar, polvilhe com queijo ralado e/ou adicione rodelas de tomate cru (eu prefiro sem esses dois ingredientes.
Só na hora de servir, espalhe as folhas de manjericão frescas.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vou adorar ler seu comentário, além é claro, do prazer enorme de saber que passou por aqui.