quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

O Rapto de Prosérpina

Prosérpina era filha de Ceres, a deusa dos campos e protetora das colheitas. Um dia, quando a jovem colhia flores com as suas companheiras, sentiu-se atraída pela beleza da flor do narciso.
Afastou-se para a colher; mas, antes de lhe poder tocar, uma fenda abriu-se na terra, saindo dela um carro puxado por cavalos negros.
Quem o conduzia era Plutão, deus dos Infernos, que, apaixonado por Prosérpina, a raptou, aproveitando a ausência de Ceres. Quando desta voltou, ao aperceber-se da ausência da filha, procurou-a por toda a parte. Não a encontrando, refugiou-se na sua tristeza, transformando num deserto estéril e gelado prados outrora fecundos e verdejantes.
Algum tempo depois, perante a ameaça que tal situação representava para os mortais, Júpiter, rei dos deuses, resolveu interceder junto de seu irmão, rei dos Infernos, enviando até ele Mercúrio. No entanto, a jovem, tentada por Plutão, enquanto se encontrava no Mundo Subterrâneo, tinha ingerido sementes de romã, quebrando o jejum, pelo que não podia dissociar-se daquele lugar.
Para amenizar o sofrimento de Ceres, Júpiter estabeleceu que Prosérpina repartiria o seu tempo entre os Infernos e a Terra: metade do ano passá-lo-ia com o marido; a outra, na companhia da mãe.
Assim, enquanto ela está na terra, os campos tornam-se férteis, os prados florescem e as árvores enchem-se de frutos. Quando desce ao mundo dos mortos, a terra cobre-se de luto e a vi da parece cair em torpor, Quando regressa à superfície, tudo se renova. É o eterno ciclo da Primavera em oposição ao Inverno, simbolizando, deste modo, a constante regeneração da natureza, o que comumente designamos por quatro estações, tão bem representadas não apenas no universo da arte pictórica, como também no mundo da música.


imagem Picasa



Não é de carne. É mármore, mesmo! A escultura ("O Rapto de Prosérpina") de Giovanni Bernini (1598/1680)- expoente máximo do barroco europeu - é paradigma na arte, desde que foi realizada. O detalhe da coxa e o torso de Prosérpina é algo que beira a perfeição absoluta, demonstrando um total domínio da arte escultórica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vou adorar ler seu comentário, além é claro, do prazer enorme de saber que passou por aqui.