domingo, 8 de dezembro de 2013

Os Segredos de Beleza de Tia Nancy




Nancy era uma tia, por parte de mãe, muito amada e admirada em família.
Baixinha, rechonchuda, inteligente e de sorriso largo, casou-se com um empresário árabe.
Como não teve filhos e não precisava ocupar-se com os afazeres domésticos, dividia seu tempo entre cuidados com a beleza e longas viagens.
Ela era paparicada pelo marido, pelos sobrinhos e, em especial pelas primas, que a consideravam uma sábia quando o assunto era moda e beleza.
Embora sua casa tivesse uma bela piscina, nunca vimos tia Nancy de maiô tomando sol.
Sua pela era uniformemente clara e, ao contrário de toda família, ela não tinha uma sarda sequer o que me leva a desconfiar que, naquela época, ela já sabia do efeito devastador das exposições prolongadas ao sol sobre a pele. Deve ter adquirido essa sabedoria em uma de suas inúmeras viagens e, por ser "segredeira" como todos os familiares, calou-se e guardou essa pérola para si.
Chegamos a surpreender várias vezes tia Nancy com os pés mergulhados numa bacia cheia de chá preto. Diante de nosso espanto, ela pacientemente explicava que essa infusão servia para eliminar maus odores causados pela transpiração. Tia Nancy andava sempre de tailleur e sapatos fechados com salto bem alto (ela era baixinha lembram?)
Na época de tia Nancy, a indústria de cosméticos engatinhava e, por isso, ela mesma preparava suas fórmulas secretas, que incluíam ampolas de vitamina A misturadas a pomadas para assadura de bebês e sei lá mais o quê.
Comentava-se em família que essas verdadeiras poções mágicas entravam em terras tupiniquins dentro das malas que ela trazia quando retornava de suas viagens mundo afora e seriam responsáveis, segundo as mulheres da família, por aquela pele clarinha, sempre viçosa e sem manchas ou sardas.
Eu particularmente acho que o segredo de beleza dela estava relacionado a um modo de vida saudável além, é claro, de uma boa dose de otimismo que ela demonstrou até mesmo nos momentos difíceis como a perda do marido, seguida de uma doença séria que a manteve acamada até o final de seus dias.
Nunca chegamos para vista-la e encontramos tia Nancy triste, depressiva e sem aquele sorriso que era sua marca registrada. 
A meu ver, esse era o verdadeiro segredo de beleza dela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vou adorar ler seu comentário, além é claro, do prazer enorme de saber que passou por aqui.